Nav icon
The Art of the Brick
Cult +

8 Fatos sobre os legos da “The Art of the Brick” em São Paulo

Postado por Thássio Marcelo Aragão / 8 September, 2016

Em exposição no Pavilhão da Oca, no Parque Ibirapuera, as obras com tijolinhos LEGO do artista Nathan Sawaya prometem muita nostalgia e diversão para os amantes da arte pop contemporânea. Listamos 8 fatos que você pode esperar durante a visita.

Para quem ainda não conhece, Nathan Sawaya é um consagrado artista norte-americano que criou a exposição do “The Art of the Brick”. Sawaya cria esculturas e replicas de obras de arte usando um dos brinquedos mais populares do mundo: LEGO. Apesar de retratar auto-retratos de personalidades e quadros famosos, sua arte tem como foco principal esculturas realistas construídas apenas com peças do brinquedo de montar. Ele foi o primeiro artista a fazer uso dos tijolinhos no mundo da arte contemporânea e sua originalidade lhe rendeu fama e notoriedade entre personalidades da mídia, políticos, crianças e colecionadores, se tornando uma espécie de Andy Warhol de hoje.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

Após viajar o mundo, sua tão famosa exposição “The Art of the Brick” finalmente chega ao Brasil, aterrizando no Pavilhão Lucas Nogueira Garcez, popularmente conhecido como Oca no Parque Ibirapuera, até o dia 30 de outubro. Ao todo, a exposição reune 80 obras, organizadas em diferentes salas por temas e tamanhos. Uma experiência kitcsh que resumimos abaixo em 8 fatos:

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

1. As esculturas da primeira sala já impressionam mas o melhor está no final

Tudo começa com uma sala repleta de miniaturas, combinações surrealistas inesperadas e réplicas de tamanho real ou exageradas. Após assistir um filme introdutório, onde Sawaya conta as suas fontes de inspiração, a exposição do The Art of the Brick te leva a um ambiente criativo que costumeiramente abandonamos na infância. É possível acompanhar alguns esboços em papel das suas esculturas em um ambiente que reproduz a oficina do artista, com várias caixas de brinquedos LEGOS separados por cor.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

2. Leia a legenda das obras, pois tem várias mensagens inspiradoras

Muitas das esculturas foram criadas pensando nas crianças ou no desenvolvimento emocional do ser humano. Portanto, embaixo de cada título, é comum uma legenda expressando sentimentos, angústias, medos, desejos ou mensagens de cunho positivo. Uma mensagem simples que gostei foi a da obra Pedestal: “A maioria dos pedestais tem alguma coisa em cima para você olhar. Neste caso, o pedestal é tudo o que você deve olhar. A arte também pode estar na ausência.”

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

3. Não tem como não relacionar algumas criações com a nossa vida

O colorido dos LEGOS, as poses estranhas e o contexto das esculturas remetem sempre a uma imagem afetiva nossa, seja ela de uma experiência infantil, de elementos da cultura pop ou momento da vida. Aliás, o fato do artista ter apostado sua carreira no LEGO é justamente porque as pessoas são familiarizadas com ele, uma vez que é um brinquedo que muitas crianças têm em casa e com o qual os adultos têm uma ligação sentimental. Esse é um dos motivos que torna a exposição divertida, fantasiosa e interativa, com esculturas muitas vezes caricatas e inusitadas partindo de aspectos reais. E assim como tantas outras coisas na vida, é uma questão de perspectiva.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

4. A luz não permite boas selfies, portanto se contente com snaps sem flash

Logo de início fomos informados que não é permitido usar flash e para completar, a iluminação focada amarela prejudica muito as fotos, com perda da cor original dos LEGOS. Se existe um propósito para evitar o máximo a proliferação de imagens das obras, ele foi cumprido. Logo, não é nada fácil conseguir uma boa foto com as obras, exceto no lugar que existe para “interagir” com uma delas e a iluminação é mais difusa. Portanto, pense mais na experiência e menos no registro para não se frustrar.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

5. São mais de 1 milhão de blocos espalhados pelo extenso ambiente da mostra

A medida que vamos entrando pelos diferentes ambientes da exposição é possível notar que as obras vão crescendo, ocupando maiores espaços e níveis de dificuldade. Entre caveiras coloridas gigantes, esculturas gregas imponentes e quadros detalhistas, a obra mais exuberante é a maior delas, um Tiranossauro Rex com 6 metros de comprimento. Foi preciso 80 mil peças para ser concluída durante um verão inteiro. A obra é dedicada as crianças, que lotaram a primeira exposição individual de Sawaya e esta foi a maneira criativa do artista agradecer. Fofo!

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

6. A obra mais famosa da exposição, aquela do clipe da Lady Gaga, está presente

Existe uma outra obra do artista que já virou kitsch e sempre estampa a publicidade do seu trabalho. Estou falando da escultura “Yellow”, um busto amarelo de um homem rasgando o próprio peito para mostrar ao mundo tudo o que o compõe. Ele foi construído com 11 mil peças amarelas de LEGO e provavelmente você já deve ter visto sua participação no videoclipe G.U.Y da Lady Gaga, para quem também criou um vestido com o mesmo material.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

7. Algumas réplicas de quadros e auto-retratos dão vontade de colecionar 

Momento mais cult da exposição, algumas obras prestam homenagens a personalidades e reproduzem grandes obras de arte, como “O Pensador”, de Rodin, “O Grito”, de Edward Munch, “A Noite Estrelada”, de Van Gogh, “O Beijo”, de Gustav Klimt, entre outros. A novidade que Sawaya preparou para acompanhar a mostra no Brasil é a obra inédita “Pelé”, que mostra o jogador de futebol em um painel composto em mosaico, diante de uma bola de futebol tridimensional.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

8. No final é possível construir peças, brincar e comprar jogos e camisetas 

Após superar um bom tempo a tentação de tocar cada uma das obras, o final da exposição reserva um alívio para os visitantes. Mesas com centenas de peças LEGO estão a disposição para os visitantes pegarem, criarem e expressarem sua criatividade. Alguns jogos de videogame também ajudam nesta imersão no universo artístico LEGO, com possibilidade de comprar jogos geeks (vi uns LEGOS de Star Wars, por exemplo). E como já é de praxe, alguns souvenirs estão à venda, com preços estratosféricos para catálogos, canecas e camisetas. Talvez, a melhor recordação seja mesmo a selfie final da sua obra de LEGO.

A arte do tijolo de Nathan Sawaya

Após temporada em São Paulo, a exposição segue para o Rio de Janeiro, onde poderá ser visitada entre 11 de novembro e 15 de janeiro no Museu Histórico Nacional.

The Art of Brick, de Nathan Sawaya
Período: de 11 de agosto a 30 de outubro de 2016
Local: OCA – Museu da Cidade de São Paulo – Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3, S/n – Parque Ibirapuera
Horário: de terça a domingo das 11h às 20h (Fechado às segundas-feiras)
Ingressos: R$ 20 (inteira) | R$ 10 (meia-entrada)

Fotos: Mateus Aguiar

O que você achou?